Junior Campos Prado

logo

01/11/2021

Arquitetura e Urbanismo

Certamente, o mundo seria menos aprazível sem as inconfundíveis curvas de Niemeyer, a ousadia de Lina Bo Bardi ou o estoicismo de Lota de Macedo Soares. Desde o árido planalto central até as ensolaradas praias cariocas, passando pela efervescência da capital paulista, expoentes brasileiros da arquitetura transformaram (e embelezaram, inovaram, arrojaram) espaços urbanos e rurais.

A arquitetura é definida como a arte de construir e decorar edifícios. Realmente, são artistas que, diante de uma tela branca, pincelam estruturas e formas inimagináveis, porém harmônicas, como um Michelangelo (que também era arquiteto) prestes a decorar o teto de uma capela um tanto quanto famosa…

Enfim, como engenheiro, também devo explorar esse universo, ao trazer as impressões de arquitetos experientes e recém-formados, pois, além do viés artístico, este profissional precisa aliar harmonia com sustentabilidade, nos variados espaços urbanos cada dia mais complexos!

 Aliás, nesse momento, a imprescindível parceria com a engenharia tem seu ponto forte, pois é preciso encontrar soluções inovadoras que harmonizem as condições ambiental, social e até mesmo política. É o sonho e a realidade em prol do bem comum. Precisa mais para se apaixonar?

Para as arquitetas Maria Fernanda Fugita Murari e Maria Carolina Fugita Murari, que atuam na arquitetura de interiores, é imprescindível o trabalho em parceria com o engenheiro, principalmente para evitar transtornos futuros.

O ideal é acompanharmos a obra desde a escolha do terreno. Analisamos a topografia, com o auxílio de um profissional do ramo”, diz Maria Fernanda.

 A irmã, Maria Carolina, conta que, muitas vezes, o cliente quer investir uma quantia na construção, mas acaba gastando mais por conta da topografia inadequada.

Arquiteto e Urbanista
Francisco Marcolan

O que se investe para adequar o terreno poderia ser empregado em outras áreas da construção”.

 Em uma obra, todo detalhe é importante e pode ser crucial no decorrer da construção, cujo planejamento deve levar em consideração a disposição do lote em relação ao nascente e poente. A arquitetura de interiores auxilia desde a escolha do piso, até elementos decorativos como móveis, cortinas e tapetes, harmonizando cores e disposição nos ambientes.

O arquiteto pode atuar em variadas áreas, como no ramo de paisagismo, construções sustentáveis – chamadas de green building e – cada vez mais em alta – arquitetura naval, cenográfica, luminotécnica, designs de maquetes físicas ou virtuais, entre outras.

 Todos os caminhos, porém, requerem orientação, planejamento, criação e, principalmente, consciência social do arquiteto. O aspecto social ganha destaque quando o profissional lida com obras tombadas, patrimônios de uma cidade, estado ou nação, como é o caso do arquiteto Kico Marcolan.

Arquitetas e Urbanistas
Maria Fernanda e Maria Carolina
Fugita Murari – Due Maria
Arquitetura e Interiores

Histórico

 Kico Marcolan, responsável por obras importantes, começou a trabalhar aos 15 anos, em um escritório de arquitetura.

Gostava muito de desenho desde a infância e achava que ia ser um artista plástico”.

Aos 17 anos, comprou sua primeira prancheta e começou a trabalhar por conta própria. Começou a cursar faculdade aos 21 anos, já com dezenas de obras na cidade. Um de seus trabalhos mais memoráveis foi transformar o galpão de armazenamento da antiga Douradense em um salão de eventos de grande porte, com capacidade para receber cerca de duas mil pessoas.

Quando iniciei a obra senti que era patrimônio histórico e o terreno fica num declive. Foi um desafio para mim”, relembra Kico.

Outro desafio para o arquiteto, conquistado por meio de concurso público, foi a revitalização do Mercado Municipal de Jaú, inaugurado em 1899.

Quando o arquiteto vai mexer em um prédio que está tombado tem que respeitar. Se quiser dar uma contemporaneidade, tenho que ter muita responsabilidade”.

 Cidades com mais de 100 anos de existência possuem um grande número de imóveis tombados, é provável que o profissional de arquitetura se depare, ao longo da sua carreira, com um imóvel cujo valor arquitetônico guarda marcas de uma época, com suas linhas, estilo, tradições e materiais característicos.

Urbanismo

Quando o profissional precisa interagir com o espaço de convívio dos cidadãos, entra em cena o urbanismo.

O urbanismo acontece quando o arquiteto tem que dominar certa área e inserir os habitantes. Envolve todo um sistema social, cultural e econômico. No urbanismo existe uma linguagem que funciona em países desenvolvidos. Há projetos ótimos no Brasil que dariam para competir com o mundo, mas existe uma dificuldade em dar sequência nesses projetos”, conta Marcolan.

Essa dificuldade em dar sequência a projetos prejudica as urbes. Marcolan acredita que se as cidades tivessem dado continuidade a uma série de projetos, como do curitibano João Batista Vilanova Artigas, em muitas cidades, teríamos um trânsito menos poluído. Outra questão urbanística citada por Marcolan como algo fundamental e inevitável é a prioridade aos pedestres.

Arquiteto e Urbanista
Emerson Alan Vaz da Silva

Com a construção de avenidas grandes e largas acabamos sendo reféns, porque isso prioriza os veículos, o que hoje é uma incoerência”.

 Com ruas do século passado e frota do século 21, geralmente o trânsito apresenta gargalos na região central e em cruzamentos de avenidas das cidades.

 Em países desenvolvidos, nos quais o transporte público e sustentável é privilegiado, a revitalização dos centros históricos é fundamental, com bulevares ajardinados. Em muitas cidades há projetos de construir um bulevar nas ruas centrais, o qual priorizaria o pedestre e ressaltaria o valor cultural e histórico da região central do Município.

Carreira

 Os desafios da área, que já são muitos, tendem a se avolumar no decorrer dos anos. Provavelmente, isso é o que move os jovens a optar pela carreira, uma das mais concorridas em vestibulares de universidades públicas brasileiras.

 Pensar no bem-estar das pessoas é algo que acompanha o recém-formado Emerson Vaz, desde cedo.

Sempre me interessei por jogos de montagens, maquetes e construção. Ingressei na faculdade com a certeza de que queria aquilo e sempre pensei no lado humano”.

 A colega e também formada recentemente Meirieli Martins endossa a questão da coletividade e conta que sempre foi ligada à arte e desde muito jovem trabalhou em lojas de acabamentos. “No início do curso, víamos a história da arquitetura, a identificação das formas, imagens. Não sabia desenhar, mas tudo é treino”.

 Os jovens já estão no mercado de trabalho e concordam quando o assunto é um arquiteto no acompanhamento, desde o início, em uma obra.

Quando o cliente apresenta o terreno, podemos iniciar um estudo técnico sobre a posição do sol e do vento”, comenta Vaz.

As imagens em 3D e os vídeos levam o cliente próximo à realidade da construção final. Com os softwares podemos ter e mostrar ao cliente imagens que vão desde a espessura do vidro até a qualidade das ferragens.”

Meirieli Martins

Expoentes

 Reconhecido internacionalmente por seus mais de 600 projetos, o carioca Oscar Niemeyer deixou sua marca como mestre em desenhar curvas no concreto armado. É considerado um dos maiores representantes da arquitetura moderna.  Além de prédios na capital federal, trabalho desenvolvido em conjunto com Lúcio Costa, assina o pavilhão da Bienal do Ibirapuera, a Oca, Edifício Copan, sambódromos do Rio de Janeiro e Anhembi e Catedral Cristo Rei, em Belo Horizonte.

 Celeiro de arquitetos arrojados, o Brasil pode se orgulhar ainda das arquitetas citadas no início desta reportagen: Lina Bo Bardi (Maps) e Lota de Macedo Soares (Aterro do Flamengo), assim como Paulo Mendes da Rocha, o já citado Vilanova Artigas, Ruy Ohtake, Isay Weinfeld, Leila Dionízios, Thiago Bernardes e tantos outros que embelezam nossa paisagem cotidiana.

“O aspecto social ganhar destaque quando o profissional lida com obras tombadas, patrimônios de uma cidade, estado ou nação… “

Integração de Casa, Lazer e Paisagismo
Projeto Luiz Carlos de Campos Prado Junior

Projetos de cidades inteligentes são realidade ao redor do mundo. A chamada quarta Revolução Industrial proporciona desenvolvimento acelerado da tecnologia que invade cada vez mais o nosso dia a dia.
O objetivo é melhorar os ambientes e a qualidade de vida. Para isso, é necessário ter infraestrutura adequada e o domínio da tecnologia, tanto em sua aplicabilidade como na segurança e ética. Um longo caminho a ser percorrido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code